O conceito de deserto revisitado

Um, dois, três…lá se foram mais ou menos 20 quilômetros (ida e volta) de caminhada em um dia na Praia Deserta, em Superagui, no PR, no mês de maio. Momento de pura imersão e contato com a natureza e de revisitar o próprio conceito de deserto. Afinal, com tanta abundância de vida, da mais microscópica a outros elementos, como considerar que a figura humana pode determinar o sentido de uma palavra? Foi nesta direção que os pensamentos foram se alinhando e o meu olhar ganhou novas dimensões, dando espaço ao material e imaterial, tornando o passeio, na verdade, algo maior: um aprendizado de sensibilização para a conservação de um dos locais mais belos no Brasil, com extensão de 38 quilômetros em uma ilha que guarda mangues, mata Atlântica, berçário de aves e uma vasta biodiversidade marinha.

Ararapira: um ex-vilarejo no Canal do Varadouro

À primeira vista, aquelas dunas enormes, algumas ruínas aparentes e a ponta da torre da antiga igreja histórica de São José, construída no século XIX, me aguçaram a curiosidade. Eu estava prestes a conhecer o pequeno vilarejo de Ararapira, também chamado de comunidade fantasma, localizado na abrangência do Parque Nacional do Superagui, ao longo do Canal do Varadouro (criado artificialmente na década de 50), que liga Superagui, em Guaraqueçaba (PR) ao litoral paulista até Cananeia. Era um dia ensolarado e o céu de brigadeiro favoreceu a gravação dessa bonita imagem em minha mente, nas proximidades da Ilha do Cardoso. E pensei – ‘Afinal, qual era o segredo desse pequeno pedacinho do Brasil?’.